Terça, 16 de Abril de 2024
  • Terça, 16 de Abril de 2024

Irã é expulso de grupo de mulheres da ONU após campanha dos EUA

Medida foi tomada pelo Conselho Econômico e Social da organização

MICHELLE NICHOLS


© Reuters/Direitos Reservados

O Irã foi expulso de um grupo de mulheres da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quarta-feira (15), por causa de políticas contrárias aos direitos de mulheres e meninas, uma medida proposta pelos Estados Unidos (EUA) após a repressão de Teerã a protestos pela morte de uma jovem sob custódia policial.

O Conselho Econômico e Social da ONU (Ecosoc), de 54 membros, adotou resolução elaborada pelos EUA para 'remover com efeito imediato a República Islâmica do Irã da Comissão sobre o Status da Mulher (CSW) pelo restante de seu mandato, entre 2022-2026.'

Foram 29 votos a favor, oito contra --incluindo Rússia e China-- e 16 abstenções.

'Esta é uma vitória para os revolucionários iranianos que têm enfrentado armas e balas enquanto lutam contra esse estado de apartheid de gênero', escreveu no Twitter a jornalista iraniana e ativista pelos direitos das mulheres Masih Alinejad, que vive nos Estados Unidos.

Os governantes clericais do Irã enfrentam, desde setembro, os maiores protestos em anos, depois que a iraniana Mahsa Amini, de 22 anos, morreu sob custódia da polícia da moralidade, que impõe códigos de vestimenta rígidos no país. 

A embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, disse que remover o Irã era a coisa certa a fazer. A comissão de 45 membros se reúne anualmente em março e visa a promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres.

'É extremamente importante para as mulheres do Irã', disse Thomas-Greenfield à Reuters após a votação. 'Elas receberam forte mensagem das Nações Unidas, de que as apoiaremos e condenaremos o Irã e não os deixaremos sentar na Comissão para o Estatuto da Mulher e continuar atacando mulheres em seu próprio país'.

Thomas-Greenfield afirmou que a votação foi sem precedentes. 'Não vamos estabelecer limites, vamos continuar a pressionar pelos direitos humanos onde quer que estejam sendo violados. Esse é um valor fundamental para nós'.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.



Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.
Para mais informações, consulte nossa política de cookies.