Terça, 25 de Junho de 2024
  • Terça, 25 de Junho de 2024

Agesul pode assumir obra de mais de R$ 38 milhões do Morenão após concessão

Setesc enviou manifestação de interesse em receber a concessão do Morenão à UFMS

MIDIAMAX/FáBIO ORUê


Estádio Morenão (Divulgação, UFMS)

Caso o Governo do Estado venha a administrar o Estádio Morenão, que há anos passa por obras de adequações, a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) deve assumir os trabalhos começados pela Fapec (Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura).

Segundo o Secretário de Estadual de Turismo, Esporte e Cultura, Marcelo Miranda, o Governo espera uma resposta oficial da atual proprietária do Morenão, a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

“A partir do momento que o Morenão estiver sob posse do Governo do Estado, a própria Agesul pode fazer a obra diretamente sem ter a interveniência dos conselhos, que foi a grande dificuldade esses anos todos”, diz, após reunião da Comissão de Desporto da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, que acompanha as obras do estádio.

“Eu acredito que agora o governo do estado tem a posse do Morenão e poder fazer a obra diretamente, sem ter a interveniência de terceiro, vai conseguir dar celeridade”, acrescenta ele, que pediu a concessão e já recebeu um sinal positivo do reitor da UFMS, Marcelo Turine.

“Estamos aguardando agora os trâmites da universidade. O reitor Turine já sinalizou positivamente para essa proposta de concessão. Então agora vamos aguardar os trâmites internos para que a gente possa receber essa concessão e faça as adequações o mais rápido possível”, revela.

Parceria Público-Privada

Segundo Miranda, o governo ainda deve decidir como vai administrar o Morenão após a concessão ser efetivada. “Eu entendo que o Governo tem que estudar a melhor forma de gestão do Morenão. Seja através de uma PPP, seja através da utilização própria do Governo”, explica.

Os planos estudados pelo Governo do Estado incluem a instalação de um Centro de Atendimento ao Cidadão, a possível construção de um alojamento para os atletas e uma pista de atletismo.

Obra de R$ 38 milhões

O assessor jurídico da Fapec, José Eduardo Meira, afirmou na tarde desta terça-feira (11) que uma reforma completa no estádio deve custar R$ 38 milhões aos cofres públicos.

Segundo ele, o atual termo de fomento, previsto em R$ 9,4 milhões não foi suficiente para a reforma, sendo que até o momento, apenas os banheiros foram reformados, com custos de R$ 1.566.181,62. Desta forma, o saldo em conta do termo de fomento é de R$ 7.838.761,08.

Entretanto, a estimativa para conclusão da reforma da infraestrutura, segurança e cadeiras da área coberta totalizam R$ 38.904.711,10 e seria inviável continuar a parceria com termo de fomento.

Esta estimativa diz respeito apenas ao incluído no termo de fomento firmado entre UFMS, Fapec e Governo do Estado. Caso o Governo do Estado assuma o Morenão, uma revitalização completa, além de modernização e ampliação pode custar ainda mais que o R$ 38 milhões.

Concessão do Morenão

Durante a reunião, presidida pelo deputado Pedro Pedrossian Neto, Miranda explicou que enviou à UFMS uma manifestação de interesse do Governo do Estado em receber a concessão de uso e administração do Estádio Pedro Pedrossian, o ‘Morenão’.

A manifestação é endereçada ao reitor da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Marcelo Turine, pois a instituição é proprietária do estádio, localizado inclusive dentro da Cidade Universitária.



Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.
Para mais informações, consulte nossa política de cookies.