Quarta, 17 de Julho de 2024
  • Quarta, 17 de Julho de 2024

Após liberar restrições contra Covid-19, Pequim tem crematórios e casas funerárias cheios

A China não reporta oficialmente novas mortes por Covid-19 desde 7 de dezembro; protestos levaram ao fim a política de Covid zero

R7 / INTERNACIONAL | POR REUTERS


Trabalhadores em trajes de proteção transferem um corpo em um caixão em uma funerária - REUTERS/Alessandro Diviggiano - 17/12/2022

Carros funerários se alinharam na entrada de um crematório designado para mortos por Covid-19 na capital chinesa neste sábado (17), enquanto funcionários em dúzias de casas funerárias da cidade estavam mais ocupados do que o normal, dias após a China reverter rígidas restrições contra a pandemia.

A disseminação da variante Ômicron atingiu serviços como restaurantes e entrega de encomendas nos últimos dias em Pequim. Casas funerárias e crematórios na cidade com 22 milhões de pessoas também sofriam para acompanhar a demanda, com mais trabalhadores e motoristas testando positivo para coronavírus e faltando por questões médicas.

A China ainda não reporta oficialmente mortes por Covid-19 desde 7 de dezembro, quando o país encerrou abruptamente elementos chave de sua política de Covid zero que foi defendida pelo presidente Xi Jinping, após protestos públicos sem precedentes contra o protocolo.

Um instituto de pesquisa dos EUA disse esta semana que o país poderia ter uma explosão de casos e mais de um milhão de pessoas poderiam morrer de Covid-19 em 2023. Um pico agudo de mortes testaria as tentativas das autoridades de afastar a China de testes frequentes, lockdowns e fortes restrições de viagens.

Neste sábado, um jornalista da Reuters viu cerca de 30 carros funerários parados na entrada que levava a uma casa funerária em Dongjiao, um crematório em Pequim designado às vítimas de Covid-19. Três das várias chaminés soltavam fumaça continuamente.

A alguns metros do crematório, em uma funerária, um jornalista da Reuters viu cerca de 20 sacos amarelos com corpos no chão. A Reuters não conseguiu estabelecer em um primeiro momento se as mortes eram devido à Covid-19.

O operador de segurança do estacionamento e o dono de uma loja no prédio da funerária, falando sob condição de anonimato, disseram à Reuters que o número de mortes estava acima da média para este período e em um patamar acima ao de antes da suspensão da maioria das limitações da pandemia em 7 de dezembro.

Trabalhadores doentes também afetaram as equipes ativas em aproximadamente uma dúzia de funerárias de Pequim.

A última vez que a autoridade sanitária da China relatou mortes por Covid-19 foi em 3 de dezembro. A última fatalidade relatada pela capital chinesa foi em 23 de novembro.

No entanto, o respeitado veículo chinês Caixin publicou na sexta-feira que dois jornalistas veteranos da imprensa estatal morreram após contrair Covid-19 em Pequim, entre as primeiras mortes que chegaram ao conhecimento público desde que a China desmontou suas políticas de Covid-19 zero.

Mas a Comissão de Saúde Nacional publicou que não houve mudanças na contagem oficial de mortes por Covid-19 de 5.235 desde que a pandemia surgiu na província de Wuhan, em 2019.

Desde que suspendeu as restrições no começo deste mês, a China orientou sua população de 1,4 bilhão de pessoas a ficar em casa se tiver sintomas, com cidades ao redor do país se preparando para suas primeiras ondas de infecções.

Se as rígidas políticas de contenção tivessem sido suspensas mais cedo, como em 3 de janeiro deste ano, 250 mil pessoas na China teriam morrido, disse o epidemiologista chinês Wu Zunyon neste sábado.

Até 5 de dezembro, a proporção de pacientes com casos sérios ou críticos de Covid-19 havia caído 0,18% dos casos relatados, disse Wu, de 3,32% ano passado e 16,47% em 2020.

Isso mostra que a taxa de morte da doença na China está caindo gradualmente, disse, sem dar detalhes.

O Fala Brasil mostrou o caso de pessoas que sofrem com as sequelas do coronavírus mesmo após um ano da infecção. Os cientistas chamam a situação de 'síndrome da covid longa' e apesar de todos os estudos para entender, ainda não há uma resposta exata. Saiba mais

Pexels/ Anna Shvets

Nem sempre a batalha contra a covid acaba quando o vírus sai do organismo. O relato de sintomas prolongado quando termina a doença tem sido estudado no mundo todo e a ciência já deu o nome de 'síndrome da covid longa'. Uma pesquisa revelou que quatro em cada 10 pessoas não se recuperaram totalmente da covid 

Reprodução/Record TV

A empresária Isabela de Orleans teve covid bem no início da pandemia, foram 21 dias de isolamento e sintomas desagradáveis. Porém, de dois anos para cá, ela sofre com as sequelas da doença. A mulher emagreceu 20 quilos e entrou em uma crise emocional profunda que tem dificultado o seu dia a dia

Reprodução/Record TV

A pesquisa mais recente sobre o assunto é um estudo escocês em que pacientes relataram sintomas persistentes, como falta de ar, palpitação e confusão mental no período de 6 a 18 meses após o período de infecção. No total de entrevistados, 42% se sentem parcialmente bem e 6% não tiveram melhoras no sintoma

Reprodução/Record TV

O infectologista Daniel Junger conta que as pessoas adquirem sequelas pulmonares, cardíacas, neurocognitivas e outras. Apesar dos esforços, ainda não há uma resposta exata sobre o que causa esse efeito duradouro dos sintomas

Reprodução/Record TV

É importante considerar alguns fatores de risco: pessoas que possuem hipertensão, diabetes ou algum prejuízo imunológico têm maior chance de ficarem com essas sequelas 

Reprodução/Record TV

O médico tricologista, profissional capaz de identificar e tratar alterações na estrutura dos fios capilares, Byron José Figueiredo chama a atenção para uma outra sequela: 'Por ser uma infecção muito intensa, a covid pode ocasionar queda frequente de cabelo.'

Reprodução/Record TV

É preciso prestar atenção em cada detalhe, seja por sintomas ou alterações em exames pós-covid, a recomendação é procurar um atendimento médico. O Fala Brasil é exibido de segunda a sexta, às 8h40 e, aos sábados, às 7h35, na Record TV.

Reprodução/Record TV

Copyright © Thomson Reuters.



Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.
Para mais informações, consulte nossa política de cookies.