Quarta, 17 de Julho de 2024
  • Quarta, 17 de Julho de 2024

Moscou tem nevasca recorde: camadas de neve passam de 30 cm

Centro meteorológico disse em comunicado que 'nunca na história da meteorologia foram vistos montes de neve desse tamanho' 

R7 / INTERNACIONAL | DA AFP


Crianças brincam na neve em uma praça de Moscou, Rússia - Natalia KOLESNIKOVA / AFP - 17/12/2022

A capital russa, Moscou, acordou neste domingo (18) coberta de neve, com camadas de mais de 30 centímetros que perturbaram o tráfego terrestre e aéreo, segundo as autoridades.

O centro meteorológico de Fobos disse em um comunicado que 'nunca na história da meteorologia foram vistos montes de neve desse tamanho' nas ruas de Moscou.

A prefeitura de Moscou informou que mais de 119.000 pessoas e mais de 12.500 veículos foram mobilizados para limpar ruas, calçadas e estações de transporte cobertas de neve.

'É um apocalipse de neve: em Moscou há uma tempestade [tão grande] que você não pode andar nem dirigir', relatou o canal de televisão estatal Pervy Kanal.

'Há tanta neve que vários ônibus estão bloqueados nas estradas (...) e os passageiros desesperados descem para continuar a viagem a pé', comentou a Ren-TV.

Mais de 50 voos foram cancelados nos aeroportos da capital russa devido ao mau tempo, informaram as autoridades aeroportuárias.

O deserto do Saara, mais especificamente na região próxima à cidade de Ain Sefra, na Argélia, amanheceu com neve e gelo na superfície de suas dunas na última segunda-feira (17). O fenômeno raro foi registrado pelo fotógrafo Karim Bouchetata, que capturou imagens impressionantes e as compartilhou com o mundo em seu perfil no Instagram *Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques

Reprodução: Instagram / Karim Bouchetata

A cidade argelina, que já registrou temperatura de até 58ºC, chegou a marcar –2ºC nos termômetros durante a noite de domingo (16)

Reprodução: Instagram / Karim Bouchetata

Esta é a quinta vez que Ain Sefra viu neve em 42 anos, com as últimas quatro ocorrências em 2021, 2018, 2016 e, décadas atrás, em 1979

Reprodução: Instagram / Karim Bouchetata

Neve e gelo em regiões desérticas são incomuns, mas podem acontecer sobretudo em janeiro, um dos meses mais frios na Argélia

Reprodução: Instagram / Karim Bouchetata

O deserto do Saara vem passando por mudanças climáticas, variação de temperatura e níveis de umidade variados nas últimas centenas de milhares de anos

Reprodução: Instagram / Karim Bouchetata

Atualmente, o Saara está muito seco e não há quase nenhuma vegetação

Reprodução: Instagram / Karim Bouchetata

Mas alguns estudiosos estimam que, num futuro bem distante, cerca de 15 mil anos, as areias do Saara voltem a ser cobertas pelo verde

Reprodução: Instagram / Karim Bouchetata



Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.
Para mais informações, consulte nossa política de cookies.