Quarta, 17 de Julho de 2024
  • Quarta, 17 de Julho de 2024

Em encontro, Lula e Arthur Lira negociam PEC do estouro e ministérios

Presidente da República eleito e presidente da Câmara se reuniram neste domingo (18) para discutir o andamento da proposta

R7 / BRASíLIA | DO R7, EM BRASíLIA, COM INFORMAçõES DA AGêNCIA ESTADO


Arthur Lira, presidente da Câmara, e Luiz Inácio Lula da Silva, presidente eleito da República - Ricardo Stuckert/PT - Arquivo

O presidente da República eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), se reuniu neste domingo (18) com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), para discutir o andamento da proposta de emenda à Constituição (PEC) do estouro e para negociar cargos em ministérios. O encontro ocorreu sem a presença da imprensa, e nenhum dos dois concedeu entrevista coletiva ao final da conversa.

Lira tem cobrado cargos no primeiro escalão do governo para destravar a votação da proposta, que está marcada para terça-feira (20). Ele que fazer indicações para as pastas da Saúde, Desenvolvimento Regional (que deve ser desmembrado em Cidades e Integração Nacional) e Minas e Energia.

Este é o terceiro encontro de Lira e Lula desde o início das negociações da PEC. O presidente eleito não tem outros compromissos públicos previstos para este domingo.

O orçamento secreto também é uma pauta comum entre Lula e Lira. Na sexta-feira (16), o Congresso aprovou um projeto de resolução que modifica o sistema de distribuição de recursos. Em sessão conjunta com deputados federais e senadores, a proposta recebeu 328 votos favoráveis, 66 contrários e 4 abstenções na Câmara. No Senado, o placar ficou mais apertado: 44 votos a favor, 20 contra e 2 abstenções.

A votação ocorre em meio ao julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a constitucionalidade do orçamento secreto. A sessão judicial foi interrompida e retorna na segunda-feira (19), quando os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski devem votar. Por enquanto, há cinco votos pela inconstitucionalidade total da emenda de relator e quatro contra.

O R7 apurou que a sessão do Congresso ocorreu devido ao entendimento dos articuladores do projeto de que o STF manterá a emenda de relator, como também é chamado o orçamento secreto, mas com modificações para dar transparência ao processo.

A proposta foi apresentada em conjunto pelas mesas do Senado e da Câmara dos Deputados. Na justificativa, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e os demais membros das duas mesas afirmaram que as mudanças conferem transparência e implementam o critério de impessoalidade.

Com a aprovação das alterações, as emendas sairão com o nome do parlamentar a pedido de quem os valores foram liberados.

No entanto, uma parcela ainda ficará sob a responsabilidade dos presidentes da Câmara e do Senado, já que 7,5% da emenda irá para a mesa diretora de cada uma das casas. Outros 5% ficarão com o presidente e o relator da Comissão Mista de Orçamento.

Os 80% restantes ficarão para indicações dos partidos, de acordo com o tamanho das bancadas, sendo 23,33% para senadores e 56,66% para deputados.

Relator do projeto de resolução, o senador Marcelo Castro (MDB-PI) afirmou que o texto traz 'um aperfeiçoamento da emenda de relator, porque se nós não aperfeiçoarmos ela vai continuar existindo com os defeitos'.



Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.
Para mais informações, consulte nossa política de cookies.